Uma Manjedoura para o Cristo Onipresente

por Paramahansa Yogananda

Back to Schedule
Donate

Na época natalina que se aproxima, abra um novo portal de sublime devoção para que a Onipresença de Cristo possa se renovar em sua consciência. Cristo bate nos escuros portões de sua ignorância todos os dias, todas as horas e todos os preciosos segundos. Agora, nesta augusta e sagrada aurora, Cristo vem especialmente em resposta ao chamado interior que você fez, para despertar em você a Onipresença da Consciência Crística.

Teça uma manjedoura de suaves percepções com os fios da meditação e torne-a suficientemente confortável para manter o bebê Infinito dentro de sua vastidão acolhedora. Cristo nasceu nas verdejantes folhas de grama; Sua mansuetude é acolhida em todas as fragrâncias. O opalescente globo adornado pelo mar, a celeste savana cravejada de estrelas, o amor carmesim do sacrifício de mártires e santos – todos competem entre si oferecendo uma moradia para o onipresente bebê Cristo.

Esse Cristo Onipresente está dormindo no regaço da Eternidade; Ele ama renascer a qualquer momento, em qualquer lugar, especialmente no calor do verdadeiro afeto. Embora o Cristo Infinito esteja presente em cada partícula do espaço como esplendor da sabedoria sempre nova e da expressão criativa, você não pode vê-Lo, a não ser que Ele escolha ser visto na manjedoura da devoção incessante

Há muito tempo a aconchegante manjedoura de seu coração tem sido pequena, mantendo apenas o amor próprio; agora, torne-a enorme para que o amor social, nacional, internacional, criatural e do Cristo Cósmico possa nela nascer e se tornar Um Amor.

Não devemos comemorar o Natal só com festividades apropriadas e troca de presentes materiais, mas também com meditação profunda e contínua, fazendo da consciência uma catedral cósmica para Cristo. Oferte ali os presentes mais preciosos do amor, da boa vontade e do serviço para elevar seus irmãos – amigos e inimigos – física, mental e espiritualmente.

O Cristo Infinito está em tudo; reverencie seu nascimento nos templos hindus, budistas, cristãos, muçulmanos, judeus e outros verdadeiramente religiosos. Toda expressão da Verdade flui da percepção do Cristo que tudo permeia; aprenda a venerar a sagrada Inteligência Universal em todas as religiões, crenças e ensinamentos puros. Já que o Cristo Cósmico sonhou a existência do divino ser que é o homem, comemore o nascimento de Cristo no amor recém-despertado e equânime que você sente por todas as nacionalidades e raças.

Todos as flores recém-abertas e todas as cintilações astrais são imagens do Cristo Infinito; adorne uma por uma com a guirlanda do amor. Contemple no amor que você sente o nascimento de um inebriante amor crístico por seus pais, amigos, parentes, vizinhos e por todas as raças. No santuário da alma, convide seus inquietos pensamentos a se reunirem e se acalmarem a serviço da mais profunda união de amor por Cristo.

Quando os presentes de Natal são colocados em volta da árvore familiar, torne cada pensamento um altar de Cristo e impregne os presentes de boa vontade. Adore Cristo como aquele que nasceu em toda a criação: na estrela, na folha, na flor, no rouxinol, no ramalhete e em sua aveludada devoção. Una seu coração a todos os corações, para que Cristo possa ali nascer e ali ficar para todo o sempre.

(Trecho de A Segunda Vinda de Cristo: A Ressurreição do Cristo Interior de Paramahansa Yogananda)

Compartilhe